Hoje, 25 de novembro, às 15h serão anunciados os participantes da 64ª edição do NHK Kouhaku Utagassen.

Pela manhã, assim como durante as últimas semanas, já foram divulgados alguns participantes como por exemplo, o cantor Fukuda Kouhei que participou exaustivamente do NHK Kayou Concert durante o ano e era dado como presença certa no festival. Começou sua carreira como cantor de minyou, influenciado pelo pai também cantor, e migrou para o kayoukyoku com o single "Nanbu Semi Shigure" (que alcançou a marca de 130 mil cópias vendidas, um ótimo número para os padrões enka atuais). Natural da província de Iwate, o cantor faz questão de exaltar a sua terra natal e segue em campanhas para a reconstrução das áreas atingidas pelo tsunami no teremoto de 2011. Foi indicado para "shinjin" no Record Taishou deste ano.

Pelça equipe feminina já foram alardeadas pela imprensa as presenças da singer song writer miwa, do grupo "irmão" do EXILE versão feminina, E-girls e do grupo irmão do AKB48, NMB48.

Ainda, o johnnys SEXY ZONE e o cantor americano Chris Hart que venceu o Nodojiman ano passado e gravou um dueto com a Matsuda Seiko em 2013.

Ainda, após 29 anos, a volta da cantora Takahashi Mariko que completou este ano 40 anos de carreira.

Esse post é mais uma homenagem à extraordinária Shimakura Chiyoko. Nos dias que se seguiram à sua morte aqui no Japão, boa parte dos programas de variedades lhe renderam homenagens, destacando em entrevistas com conhecidos (famosos e não famosos), o lado humano, especial e acima de tudo humilde dessa grande estrela da música japonesa.

O funeral da cantora, que teve a cantora Ishikawa Sayuri como oradora, foi das coisas mais emocionantes. O discurso de Ishikawa Sayuri visivelmente emocionada foi das falas mais tocantes e que renderam homenagens merecidas à cantora que, apesar de conhecer o sucesso, passou por grandes apuros na vida privada, mas que nunca, nunca mesmo perdeu a paixão pela música, a devoção daqueles que realmente nasceram com vocação para a música, e também para o estrelato. Afinal de contas, não é qualquer um que consegue se manter no topo por tanto tempo, adquirindo o respeito e admiração não só dos mais jovens, mas também dos mais veteranos.

Um amigo meu, fã da Hibari (eterna rival) chorou ao saber da notícia. Quando mais jovem, ele que vivia no interior, foi assistir a um show da cantora em sua cidade. Como escrevia para o jornal local, foi tentar uma entrevista com a cantora, que o recebeu de braços abertos, conversou horas com ele, tirou fotos e foi de uma humildade e gentileza que até hoje ele não esquece. Jovem na época, se declarou fã da Hibari logo de cara e não tinha a menor noção da "rivalidade" entre as cantoras. Mas Shimakura Chiyoko, mais do que rival, era uma enorme fã de Misora Hibari e desde então, ele passou a admirar cada vez mais Shimakura Chiyoko. Novamente, durante o último NHK Kayou Concert, ao ver Godai Natsuko cantando Rindou Touge, ele novamente chorou! São episódios como esse, pequenos, simples, mas que refletem a aura de um artista, fazem a diferença entre aqueles artistas que fizeram a diferença. Shimakura Chiyoko é inquestionavelmente uma dessas artistas que farão a maior falta nesse mundo!

Três dias antes de falecer, foi montado no quarto da cantora um estúdio improvisado onde ela gravou a sua última canção, composição do Minami Kousetsu, intitulada Karatachi no Komichi. A divulgação dessa gravação se deu exatamente durante o funeral e, ao ouvi-la durante o almoço no trabalho, num programa de televisão não tive como conter as lágrimas. O vídeo acima contém a gravação e umas últimas palavras da cantora.

A cantora que já estava sofrendo a fase terminal da doença vivia dizendo aos mais próximos que estava bem, e todos foram pegos de surpresa com a notícia de sua morte.

Numa tradução livre ela diz mais ou menos o seguinte:

"Ao conseguir montar um estúdio de gravação no meu quarto, dei o máximo de mim ao gravar. A última da minha vida, essa sensação que não mais terei, poder cantar é a maior das felicidades. No final da minha vida, essa maravilhosa, maravilhosa oportunidade, muito obrigada!"

Com certeza o céu está em festa! Que a cantora descanse em paz!

Faleceu na tarde desta sexta-feira em Tokyo, aos 75 anos, em decorrência de um câncer no fígado, a cantora Shimakura Chiyoko.

Após vencer um concurso de jovens talentos organizado pela gravadora Columbia, a cantora fez seu debut em 1955 com a música tema de um filme "Kono Yo no Hana", alcançando grande sucesso. O single seguinte "Tokyo da yo Okkasan" também fez bastante sucesso garantindo à cantora status de "star" no mundo enka japonês. Vale lembrar que á detentora do maior número de participações do lado feminino no NHK Kouhaku Utagassen com 35 vezes.

Escolhi o vídeo acima para ilustrar o post pois é a música que nos últimos tempos marcou a cantora. Lançada em 1987, a cantora foi a redenção da cantora, até então carente dos grandes sucessos que lhe renderam fama e prestígio. Essa foi exatamente a música que lhe trouxe de volta ao grande palco da NHK após um ano de ausência do festival. Além disso, é uma música que lhe rendeu o prêmio de melhor intérprete daquele ano no Record Taishou (grande prêmio que, apesar de sua longa trajetória não teve a oportunidade de vencer).

Guardo essa cena do kouhaku com muito carinho! Foi o meu primeiro encontro com a cantora. E naquela época, o mundo da música japonesa ainda era uma novidade e basicamente Nakamori Akina e J-pop ainda corriam nas minhas veias. Essa foi das primeiras músicas não pop que me agradou. A primeira música "kimono sugata"! Com certeza uma ótima iniciação no mundo enka, no qual tenho orgulho e prazer de viver até hoje!

Ainda, essa cena me faz lembrar da Shimakura Chiyoko dos velhos e bons tempos, com energia, com a voz perfeita para essa música, com seu jeito único de performar e vivenciar a letra dessa canção que é das mais belas e profundas, um real clássico enka! Vale muito a pena escutar várias e várias vezes!

É realmente uma grande perda para o mundo enka! .・゜゜・(/。\)・゜゜・.

Faleceu no último dia 25 de outubro, em Tokyo, a letrista Iwatani Tokiko, aos 97 anos. Mais uma enorme perda!

Uma das suas grandes parcerias se deu com o cantor Kayama Yuzo, com quem deu vida a músicas como "Kimi to Itsumademo", "Tabibito yo", "Oyomeni Oide", "Yozora no Hoshi". Além de outros grandes clássicos da música japonesa como "Koi no Kisetsu" (Pinky & Killers), "Furimukanaide" e "Koi no Vacance" (The Peanuts), "Aitakute Aitakute" (Sono Mari), entre outros, tendo composto para uma gama variada de artistas que vão de Gou Hiromi a Ishihara Yuujiro, de Koshiji Fubuki a Honda Minako.

Tudo começou com a cantora Koshiji Fubuki. Iwatani era sua empresária e, quando da preparação de um musical com participação da cantora, ela fez a tradução do Hino ao Amor (Edith Piaf) para o japonês, a famosa "Ai no Sanka". Desde então, de versões para o japonês a letras originais, a letrista produziu grandes clássicos da música japonesa.

Com a cantora Honda Minako (que faleceu em novembro de 2005), a letrista era responsável pela adaptação da peça Miss Saigon, da qual a cantora era a protagonista. Desde então, as duas se tornaram grandes amigas e quando da internação repentina da cantora que acabou falecendo, a letrista, por conta de um problema na perna se internou no mesmo hospital. Ela levava um rádio cassete para animar a cantora que já não conseguia mais falar e, segundo a letrista, Minako era a nova Koshiji Fubuki com enorme talento. Mais uma enorme perda para o mundo da música japonesa.

Para aqueles que estão ávidos pela renovação no enka, apresento aqui algumas novas artistas que ando escutando e que gostaria imensamente que tivessem sua chance nos grandes programas da tevê japonesa.

Mizuki Natsumi com Naite Hitori Tabi.

Kanazawa Misaki com Kita no Shihatsu Eki

Nishikiji Kazuha com Machiwabite Kyouto.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, English, Música, Cinema e vídeo